sexta-feira, 22 de maio de 2020

«Bem sei que há ilhas lá ao sul de tudo»



in Jornal CRESCER

Comemora-se hoje, dia 22 de maio, o  Dia do Autor Português.

Foi com o propósito de homenagear o autor português e destacar a sua importância no desenvolvimento da cultura e do bem-estar de todos que se criou esta data em 1982. Este dia assinala igualmente o aniversário da Sociedade Portuguesa de Autores.

Simbolicamente, deixamos aqui uma gota de água do oceano imenso da obra de um dos nossos maiores autores.


Bem sei que há ilhas lá ao sul de tudo 
Onde há paisagens que não pode haver. 
Tão belas que são como que o veludo 
Do tecido que o mundo pode ser.

Bem sei. Vegetações olhando o mar, 
Coral, encostas, tudo o que é a vida 
Tornado amor e luz, o que o sonhar 
Dá à imaginação anoitecida.

Bem sei. Vejo isso tudo. 
O mesmo vento 
Que ali agita os ramos em torpor 
Passa de leve por meu pensamento 
E o pensamento julga que é amor.

Sei, sim, é belo, é longe, é impossível, 
Existe, dorme, tem a cor e o fim, 
E, ainda que não haja, é tão visível 
Que é uma parte natural de mim.

Sei tudo, sei, sei tudo. E sei também 
Que não é lá que há isso que lá está. 
Sei qual é a luz que essa paisagem tem 
E qual a rota que nos leva lá.


Fernando Pessoa, Poesia do Eu, ed. de Richard Zenith,
2.ª ed., Lisboa, Assírio & Alvim, 2008







Sem comentários:

Publicar um comentário