quinta-feira, novembro 26, 2020

E DAS FOLHAS FIZEMOS HISTÓRIAS...

 


Trabalho realizado pela professora Raquel Sebastião

As FÁBULAS «A Cigarra e a Formiga», «O Leão e o Rato», «A Raposa e a Cegonha», «A Lebre e a Tartaruga», «O Burro carregado de Sal e o Burro carregado de esponjas», «O Corvo e a Raposa» são bem conhecidas de todos os alunos do 5.º ano, agora que acabaram de as estudar nas aulas da disciplina de Português.

O que os alunos não sabiam era que, enquanto afanosamente se dedicavam a trabalhar estes textos nas suas aulas, a equipa da Biblioteca preparava uma surpresa para todos…

Ora acontece que, entusiasmada com a avaliação muito positiva da exposição «Encontrar o Outono nas Folhas das Árvores... e dos Livros» que, generosamente, muitos lhe quiseram fazer chegar, a equipa da Biblioteca continuou a «caçar inutilidades», isto é, a colecionar folhas de outono, e a Professora Raquel a fazer trabalhos assombrosos, agora com um pedido muito especial e verdadeiramente desafiante: que das folhas nascessem animais!

E não é que nasceram mesmo?!!...


Trabalho realizado pela professora Raquel Sebastião


Trabalho realizado pela professora Raquel Sebastião


A partir destes belos animais, que os alunos adoraram, a equipa da Biblioteca dinamizou Oficinas de Escrita e, no final de uma animadíssima, exigente e muito trabalhosa sessão, os alunos do 5.º D tinham criado, coletivamente, esta fabulosa fábula:



A NOSSA FÁBULA

 

No tempo em que os animais falavam e não havia poluição, começava um novo dia. O sol brilhava num céu limpo, os pássaros chilreavam e o dia chegava mais colorido.

– Ah! Hoje o meu pelo está tão sedoso! – suspirava a raposa.

Estava a raposa entretida nestes pensamentos, quando se aproxima um ouriço.

 – O que é que um ser feio e espinhoso como tu faz numa floresta tão bela quanto eu?

 – Os meus espinhos são úteis para me defender dos predadores! – explicou o ouriço.

Passados uns dias, a nossa raposa saltitava pela floresta em busca de comida. Nisto, é avistada por um caçador…

 – Bingo! Aquela é uma raposa com um pelo muito belo, magnífico! Vai valer uma fortuna!

O caçador faz pontaria e…

 – Ui! Ai! Ui! – gritou o caçador agarrando-se ao pé e falhando o tiro.

O ouriço afastou-se, sentindo-se vitorioso e feliz. A raposa fugiu a sete pés, mas ainda ouviu uma gralha grasnar:

– Raposa, não julgues os outros pela aparência!

 

25/11/2020


TEXTO COLETIVO ELABORADO PELO 5.º D


OFICINA DE ESCRITA DINAMIZADA PELA BIBLIOTECA ESCOLAR 






E da OFICINA de ESCRITA com os alunos do 5.º A nasceram muitos textos...

Vamos começar por divulgar estas pequeninas maravilhas:




Trabalho realizado pela professora Raquel Sebastião


OS PINTAINHOS COZINHEIROS


Estavam dois pintainhos na sua casa, quando decidiram visitar uma cegonha que era famosa por ser muito alta e ter um bico muito comprido. Quando chegaram lá, perguntaram:

 – Olá, cegonha, o que estás a fazer?

– Estou a fazer uma sopa – respondeu a cegonha.

– Que giro, podemos fazer também?

– Vocês? Mas vocês nem ao caldeirão chegam! – exclamou a cegonha, soltando gargalhadas.

– Pois, mas se pusermos aqui um banquinho, tu vais querer comer esta sopa até ela acabar!

– Hum, então está bem, eu desafio-vos para um concurso de culinária!

– Desafio aceite! – exclamaram os pintainhos ao mesmo tempo.

Como a cegonha tem um bico muito comprido, desajeitou-se e acabou por deitar demasiado sal. Quando chegou a hora de provar a sopa, os elementos do júri afirmaram, com toda a certeza, que a melhor sopa era a dos pintainhos. 

A cegonha, é claro, ficou de boca aberta… Bom, de “bico aberto”!


Moral da história: Não julgues os outros pela aparência.


F. L. | 5.º A






Trabalho realizado pela Professora Raquel Sebastião


O LEÃO e a CEGONHA


Era uma vez um leão que vivia na selva. Ele era o rei dos animais e um dos seus súbditos era a cegonha.

Numa manhã de primavera, o leão disse à cegonha:

- Vai ao local onde pastam as zebras para as informar das novas leis!

A cegonha achava que ele era muito exigente, pois estava sempre a mandá-la para aqui e para ali. Um certo dia, decidiu elogiá-lo muito...

O leão gostou tanto de ouvir os elogios que só conseguia pensar nisso, deixando de cuidar do seu reino e passando a ser o leão mais vaidoso, preguiçoso e comilão da selva. A selva ficou uma confusão, porque não havia ninguém para liderar os animais.

Enquanto preguiçava, o leão lembrou-se do que a mãe lhe costumava dizer:

- Meu filho, nunca deixes de dar o teu melhor!

Foi assim que o leão percebeu que não devia dar ouvidos ao elogio e decidiu retomar o reino da selva.


Não se esqueçam, não se deixem levar pelos elogios…


C. F. | 5.º A







Trabalho realizado pela Professora Raquel Sebastião


O ELEFANTE e o PINTAINHO


Estava uma belo dia de sol e um pintainho andava a passear até que chocou contra um elefante.

Esse elefante virou-se para trás e disse:

- Vê por onde andas, pequenote!

- Desculpa…

- Como é que um animal tão pequeno pode ter sentimentos?

- Claro que tenho, sou igual a ti, mas mais pequeno!

- Pois, eu sei… Tão pequeno que não serves para nada.

Passados alguns dias, o pintainho deparou-se com o elefante. Ia para falar com ele, mas ficaram os dois presos numa armadilha. O pintainho, como era pequeno, conseguiu escapar, mas o elefante não. Então suplicou:

- Por favor, ajuda-me, não consigo sair!

- Não te devia ajudar, porque disseste que eu não servia para nada, mas… é sempre bom ajudar!

O pintainho ajudou-o e o elefante pediu desculpa.


Moral da história: não devemos gozar com os outros pelo seu tamanho e aspeto.


T. B | 5.º A







Trabalho realizado pela Professora Raquel Sebastião

O LOBO e a RAPOSA


Era uma vez, no tempo em que os animais falavam, um aldeão que foi à pesca e apanhou muito peixe. Uma raposa muito matreira viu o peixe e, quando o homem não estava a olhar, roubou-o.

A raposa, depois de ter o seu petisco, foi para os arbustos comer, muito contente. Um lobo, que andava à procura de comida porque estava muito frio e tinha muita fome, viu a raposa a comer e perguntou muito espantado:

- Como é que conseguiste tanto peixe?

- Fui ao rio, coloquei a cauda na água e esperei – disse a raposa, muito orgulhosa…

Então o lobo fez o mesmo. Foi ao rio, pôs a cauda na água e esperou, esperou, mas nada aconteceu.

Pouco tempo depois, uns aldeões apareceram para afugentar o lobo. Ele estava com muito medo porque a cauda tinha congelado no rio e, pobre do lobo, ficou sem cauda.

Já a raposa foi a casa de um aldeão para roubar um pouco de pão ainda por cozer e pôs na cabeça, como se fosse uma ferida muito grande.

Depois voltaram a encontrar-se, o lobo sem cauda e a raposa com uma ferida a fingir:

- Lobinho, meu amigo, leva-me até casa, porque tenho uma ferida muito grande, como podes ver! – exclamou a raposa, baixando a cabeça. - Lobinho, meu amigo, ajuda-me!

O lobo, não se apercebendo de que era tudo mentira, fez o que a raposa lhe pediu e lá foram, o lobo sem cauda e a raposa nas suas costas a lambuzar-se toda com a massa do pão.


Não caias no conto do vigário, porque não sabes o que pode acontecer!


V. B. | 5.º A








Trabalho realizado pela Professora Raquel Sebastião

LIVRES e DOMESTICADOS


Um dia, andava um cão perdido na floresta, porque tinha fugido de casa. Queria encontrar alguém que o conseguisse ajudar, mas ninguém conseguia, pois não sabiam onde era a sua casa. Até que encontrou um leão que lhe perguntou:

- O que é que se passa?

- Estou perdido. Ajudas-me?

- É óbvio que não. Ninguém te mandou sair de tua casa sem estares preparado para enfrentar qualquer obstáculo.

Entretanto, apareceu o dono do cão que andava à sua procura e lhe deu uma salsicha fresca à frente do leão, que exclamou:

- Sortudo! Tens comida para comer!

- É uma vantagem de ser um animal doméstico – esclareceu o cão.

O cão foi-se embora com o dono e o leão virou costas e foi brincar.

Quando o leão chegou ao pé do melhor amigo, perguntou:

- Queres brincar comigo?

- Não, porque foi muito feio aquilo que disseste àquele cão salsicha.

O leão foi ter com a mãe, que também tinha visto aquela cena, e ela disse:

- Como toda a gente sabe, todos têm os mesmos direitos; por isso, toma este bocado de carne.


Independentemente de sermos diferentes, temos todos os mesmos direitos.


C. T e J. G. | 5.º A






5 comentários:

  1. A criatividade e a imaginação não tem limites. Até parece que é fácil das folhas saírem animais. FABULOSO! Parabéns à Raquel e à Ana Isabel.

    ResponderEliminar
  2. Brilhante trabalho de equipa!
    A palavra e a imagem, num "casamento" perfeito!
    Parabéns!

    ResponderEliminar
  3. Trabalhos fantásticos! Parabéns à Professora Raquel, à Professora Ana Isabel e aos pequenos grandes escritores! Hoje, cá em casa, estas foram as histórias que se leram antes do príncipe adormecer. E que belas histórias. Não foi fácil escolher, dada a qualidade, mas o príncipe gostou particularmente do Pintainho, em "O Elefante e o Pintainho" (ainda não as lemos todas; amanhã há mais...).

    ResponderEliminar