quarta-feira, 17 de junho de 2020

Concerto Improvisado para uma Natureza Morta







Para homenagear as vítimas dos incêndios em Portugal, o «Requiem à Floresta Portuguesa», gravado em 2018, tem agora um vídeo, gravado no coração da tragédia. O projeto da compositora checa Martina Vídenová contou com a colaboração de elementos da Orquestra Sinfónica e do Coro da Casa da Música.

A cena passa-se no Pinhal de Leiria, um ano depois dos grandes incêndios de Pedrógão Grande. No filme, a preto e branco, os troncos queimados ainda intactos servem de cenário a um concerto improvisado para uma natureza morta.

O Requiem é uma missa para os mortos, normalmente tocada num contexto de um funeral. Com esta forma, queria dizer que as florestas nativas portuguesas estão a morrer e não podemos ignorar isso. Depois da grande perda de vidas humanas em 2017, quis também dedicar a música às vítimas, para honrar a sua memória”, explica  Martina Vídenová.

Fonte: JN


8 comentários:

  1. Na minha opinião, o vídeo e a música estão excecionais.
    O panorama da floresta devastada foi captado muito bem, e, com o filtro utilizado, o vídeo causou-me um grande impacto.
    Depois, a música, no meu ver, conseguiu descrever o drama e o terror dos incêndios. O início calmo, o coro incrível que deu uma atmosfera de desespero ótima na música, o crescendo e diminuendo como a vida de uma chama e o detalhe do som das últimas labaredas a consumir a lenha foram os aspetos que eu muito apreciei.
    Para mim, tanto o vídeo como a música conseguiram contar a história que são os incêndios florestais portugueses.

    ResponderEliminar
  2. Achei uma boa iniciativa gravarem o vídeo no pinhal ardido e também de certo modo parecer que a música está a renascer das cinzas.

    ResponderEliminar
  3. Uma homenagem muito significativa às vítimas dos incêndios, que nos faz sentir arrepios e o peso na consciência de tal acontecimento.

    ResponderEliminar
  4. Do meu ponto de vista, esta música, faz-nos lembrar de todas as mortes que ocorreram devido ao incêndio, de uma certa forma, esta peça recorda e alerta sobre os perigos de uma catástrofe como esta.
    Em alguns momentos da obra conseguimos ouvir o barulho do crepitar da chama, feito pelos arcos dos violinos, em toda a composição esta foi a parte que mais me agradou.

    ResponderEliminar
  5. Na minha opinião, esta homenagem às vítimas dos incêndios em Portugal, embora nos deixe tristes , é necessária, como um símbolo de que o que aconteceu nunca será esquecido, assim como as suas vítimas.

    ResponderEliminar
  6. Do meu ponto de vista, esta foi talvez uma das coisas mais incomuns a que já assisti, mas também uma das que mais me impressionou pela positiva. Acho também que muitas pessoas já esqueceram ou, já não pensam no assunto que o concerto retrata, sendo esta uma importante iniciativa.

    ResponderEliminar

  7. Acho que é importante realçar o facto de que, crianças, jovens, adultos, idosos que morreram neste incêndio sem culpa nenhuma, que tinham uma vida inteira pela viver, foram encurralados pelas chamas, ou morreram a proteger o que era deles por direito. A imagem negra que esta orquestra traz, com um tema sombrio e mais delicado retrata o que realmente se passou naqueles dias . Foi uma boa homenagem ao país, e, essencialmente às vítimas do incêndio.

    ResponderEliminar
  8. Um vídeo forte com uma banda sonora perfeita para o acontecimento tratado.

    ResponderEliminar