quinta-feira, 4 de junho de 2020

Olhos nos Olhos, em Tempo de Máscaras



Modigliani, Alice, 1918 [pormenor]

Quantas vezes já ouviste afirmar que os olhos são “a janela da alma” ou “o espelho da alma”, querendo com isto dizer que o nosso olhar comunica de forma muito poderosa, revelando as nossas emoções, o nosso estado de espírito, os nosso segredos, ou seja, o que verdadeiramente mora no interior de cada um de nós?


Imagina, agora, que te pediam que criasses uma história, com 80 a 100 palavras, na qual narrasses o primeiro encontro com alguém de cujos olhos gostes muito...



A Eduarda, destemida, contou-nos uma história deliciosa:


Ele andava sempre a observar-me, eu sentia... Ignorei. 

Semanas, meses passavam, e todos os dias sentia aqueles olhos presos em mim,  não sendo eu a única a reparar. Lembro-me de me dizerem para fazer alguma coisa, que aquilo já se tornara assustador. Mas, com o passar do tempo, fui-me habituando e, sinceramente, até gostava daquela pequena atenção.

Um dia, no entanto, decidi que bastava e olhei-o nos olhos. Duas safiras brilhantes fitavam-me. Perdi a noção do tempo e desviei o olhar por um segundo. Quando me voltei, ele tinha desaparecido. 

Não me lembro de mais nada desse dia...



A Lara, por sua vez, encantou-nos com esta maravilha:


Estávamos numa noite quente de verão quando, pela primeira vez, me deparei com o teu olhar e tudo parou. Talvez me tenha perdido nele, porém acho que só nele me encontrei. Entreguei-me ao teu intenso azul, nos olhos de cristal tímido, por segundos, supostamente. No entanto, bastou desviar o olhar e, como uma brisa, desapareceste. 

Só sei que me sentia segura, que me sentia eu. Via o melhor de mim refletido na imensidão do teu azul. Passaram anos e, até hoje, nunca me esqueci daqueles olhos azuis.



 E o David, muito corajoso, surpreendeu-nos assim:


A minha bisavó, a Vovina, é uma força da Natureza. Viveu uma vida de sonho entre Coimbra, África e Alentejo. Dona duma loja de decoração, catequista, excelente cozinheira, sempre pronta a receber a família toda. Conduzia, nadava, cuidava da sua horta e ainda tinha tempo para ler!

Teve um linfoma ao qual milagrosamente sobreviveu! Depois foi para um Lar. Quando a visitávamos, confundia os nomes de todos, menos o meu! Tenho saudades dela, mas tenho a certeza de que no nosso primeiro encontro, após a pandemia, os seus olhos pequenos e sinceros vão brilhar ao reconhecer-me, dizendo: “O meu David!”.



O Santiago, com muita originalidade, escreveu:


Isto é estranho... Onde é que eu estou?! Como é que vim aqui parar?! 

É lindo: uma praia de águas cristalinas como diamante e areias finas e brancas. Grandes palmeiras com grandes folhas verdes e da areia começam a sair pequenos caranguejos vermelhos. De repente, torna-se noite, uma noite bem escura, e começo a ouvir uma voz longínqua que diz: “Estás bem?!”.


De um momento para o outro, encontro-me num “shopping” com uma rapariga desconhecida mas muito bonita, que me olha fixamente com os seus lindos olhos sorridentes e me diz que paralisei durante uns segundos quando começámos a conversar...



Agora, partilha connosco uma história criada por ti!


Já sabes que a deves enviar para:         


 beicastro@aecoimbraoeste.pt


Ficamos à espera do teu texto...





Sem comentários:

Publicar um comentário